Monthly Archive: Agosto 2018

0

Por que nós devemos ter Cuidado com os Fitoterápicos?

A natureza é mesmo fantástica… Ela nos fornece tudo aquilo que precisamos para viver bem e com mais saúde!

Por isso, cada vez mais a medicina ocidental está se voltando para os remédios fitoterápicos e as terapias alternativas.

Porém, é também necessário ter cautela na utilização desses remédios e tratamentos naturais. Isso porque a utilização inadequada das plantas pode trazer uma série de efeitos colaterais.

Entre os principais problemas causados pelo uso indiscriminado e prolongado dos fitoterápicos estão as reações alérgicas, os efeitos tóxicos graves em vários órgãos e mesmo o desenvolvimento de certos tipos de câncer.

Mas antes…

Você sabe o que são fitoterápicos?

De acordo com a Anvisa, fitoterápicos são medicamentos naturais, feitos a partir de matérias primas vegetais. Medicamentos que incluem apenas o princípio ativo de substâncias naturais ou que se misturem com substâncias sintéticas já não são considerados fitoterápicos.

No caso do medicamentos fitoterápicos, são utilizados os princípios ativos de algumas plantas, de modo a auxiliar no tratamento ou na prevenção de doenças. Em outras palavras, as propriedades medicinais e terapêuticas são extraídas da planta em questão, pode ser das folhas, das raízes, sementes ou flores.

Depois disso, essa substância pode ser manipulada, industrializada e, nesse caso, passar por um processo de padronização.  No Brasil, o órgão responsável por garantir a padronização, segurança e qualidade dos produtos é a Anvisa.

A grande vantagem deste tipo de tratamento é que os efeitos colaterais são muito menores – e em alguns casos inexistentes – e os benefícios podem ser inúmeros. Justamente por isso, são cada vez mais buscados e recomendados por alguns médicos.

Porém, como todo e qualquer medicamento, os fitoterápicos tem seus prós e contras…

Fitoterápicos: vilões ou mocinhos?
Por que é preciso ter cuidado?

Existe um antigo ditado que diz o seguinte: “a diferença entre o o veneno e a cura está na dose“.

Apesar de antigo, esse ditado é válido para qualquer substância ou medicamento, inclusive para os fitoterápicos. Isso porque, quando compramos plantas para uso medicinal, não levamos em consideração que algumas plantas são tóxicas e, quando ingeridas, prejudicam a saúde.

E embora muitas pessoas acreditem que tudo que vem da natureza faz bem – e que isso tenha um fundo de razão –  isso não é verdade como um todo…

Um bom exemplo disso é a planta ‘comigo ninguém pode‘, muito comum em casas e apartamentos. Apesar de ser uma planta vistosa e com folhas muito bonitas, se ingerida ela pode causar inchaço e dor. Em casos mais extremos, pode até matar.

Isso mostra que nem todas as plantas podem ser fitoterápicos. E até mesmo as que são, a quantidade e a dosagem fazem total diferença!

Outro ponto importante é a automedicação, que embora seja mais fácil no caso de medicamentos fitoterápicos, pode se tornar um problema. Isso porque a quantidade de princípios ativos contidos nas plantas pode variar de acordo com a idade da planta, a época da colheita e o tipo de solo.

Além disso, detalhes como a parte utilizada, as condições de estocagem e a manipulação desta substância também podem fazer a diferença.

De olho na dosagem!

Confira alguns fitoterápicos que podem ser tanto a cura quanto o veneno…

Valeriana: Este é um fitoterápico fantástico e muito potente na hora de combater a insônia, a depressão e a ansiedade. Ao contrário dos medicamentos convencionais, não provoca dependência nem tolerância. Porém, se for ingerido em excesso e por um longo período pode ser tóxico para o fígado.
Confrei: Tratamentos fitoterápicos à base desta planta foram muito comuns nos anos 80. Suas propriedades terapêuticas eram consideradas muito eficientes no tratamento de doenças como o câncer. Mais tarde se descobriu que ele possui uma substância que pode ser tóxica para o rim, e foi proibido seu uso interno. Porém, ele também possui ótimas propriedades cicatrizantes e pode ser usado externamente.

Usar ou não usar, eis a questão

Ter cuidado com o uso de medicamentos fitoterápicos não significa que você deverá parar de usá-los!

Na verdade, cada vez mais a medicina ocidental busca nas terapias alternativas, tratamentos naturais e menos agressivos à nossa saúde. Por isso cada vez mais médicos prescrevem tratamentos que misturam a alopatia, a medicina alternativa e a fitoterapia.

Isso porque os benefícios da fitoterapia são realmente muito maiores do que os prejuízos!

Porém, antes de começar um tratamento fitoterápico, busque se informar sobre a matéria-prima, se aquele tratamento é realmente o melhor e qual a dosagem recomendada.

Por isso, o acompanhamento médico e a compra de um produto registrado garantem um tratamento efetivo e seguro. Para uma melhor orientação, você deve buscar um médico que entenda sobre o uso de  fitoterápicos.

Outra recomendação é buscar sempre comprar o seu medicamento fitoterápico de um laboratório confiável. Deste modo você estará realmente aproveitando o melhor da natureza!

O post Por que nós devemos ter Cuidado com os Fitoterápicos? apareceu primeiro em Bem de Saúde.

20 Pequenas mudanças que vão te fazer Perder Peso 0

20 Pequenas mudanças que vão te fazer Perder Peso

Seja para ter aquele corpo dos sonhos ou para ter mais saúde, perder peso é o desejo de muitas mulheres (e homens também, sejamos honestos). E nós sabemos o quanto essa jornada pode ser desafiadora e longa.

Porém, ao contrário do que se acredita, ela não precisa ser sofrida. Pequenas mudanças no seu dia a dia podem representar alguns quilos a menos na balança.

Por isso, nós reunimos 20 dicas de especialistas norteamericanos que vão te ajudar a perder aqueles quilinhos que teimam em não ir embora. Dá só uma olhada!

Na sua Dieta

Não pule o café da manhã: O café da manhã é uma das refeições mais importantes do dia. Por isso, nada de pular essa refeição!
Evite refrigerantes: Hoje em dia sabemos que não há nada de saudável em um copo de refrigerante. E nada de apelar para as versões diet, viu!
Troque o suco pela água: Embora gostosos, os sucos são uma fonte de açúcares. Por isso, se você quer perder peso, substitua o suco pela água.
Beba muita água: A quantidade varia de organismo para organismo, mas uma coisa é fato: beber água ajudará em muitos aspectos. Por isso, beba um copo extra de água todos os dias.
Coma mais vezes: Isso não quer dizer comer todo o tempo e qualquer coisa. Coma quando seu corpo sentir fome (e acredite, ele sente muito menos fome do que você imagina), e em pequenas porções.
Escolha bem seus petiscos: A gente sabe que comer fora de hora é uma delícia. Mas, se você quer perder peso, opte por petiscos saudáveis, como frutas e cereais.
Evite frituras: Essa dica é antiga, porém sempre valiosa! E, sempre que possível, diminua o óleo da comida!
Opte pelo leite desnatado: Beber leite é sempre muito gostoso, mas se você quer perder peso, opte pela versão desnatada ao invés da integral.
Escolha um prato menor: Parece besteira, mas comer suas refeições em um prato de tamanho menor ajuda no emagrecimento. Isso porque temos a sensação de termos comido mais, quando na verdade comemos a mesma quantidade.
Corte o açúcar: Embora seja gostoso comer um docinho, ele é um grande vilão para quem quer perder peso. Por isso, evite sempre que puder!

Na sua Rotina

Use as escadas: Sim, ir de elevador é muito mais fácil. Porém, o resultado de subir alguns degraus vale a pena: mais energia e alguns quilinhos a menos na balança!
Só mais 5 minutinhos: Parece simples, mas adicionar 5 minutos de exercícios à sua carga diária a cada dia pode fazer uma grande diferença na balança…
Caminhe mais: Ok, nem sempre podemos ir caminhando para todos os lugares. Porém, você precisa mesmo usar o carro pra comprar aquele pãozinho do café da tarde? Por isso, opte sempre por caminhar sempre que o seu destino permitir.
Aumente o ritmo: Nenhum corredor começa correndo de cara. É necessário ir aos poucos. Por isso, vá aumentando o ritmo da sua caminhadas um pouco cada dia!
Alongue-se: Um pouco de alongamento fará muito bem para os seus músculos e articulações. Por isso, experimente fazer alongamentos simples, 4 ou 5 minutos todos os dias são o suficiente.
Alongue-se no trabalho: Passar muitas horas na mesma posição pode ser extremamente prejudicial para a sua saúde. Por isso, a cada 1 hora faça pausas de 1 minutos e alongue-se!
Opte pelo exercício: Todos temos aqueles dias de maior estresse. Porém, opte por atividades físicas ao invés da comida quando estiver se sentindo sobrecarregado. Além de ser mais saudável, isso vai te ajudar a emagrecer!
Faça uma atividade física: Nem todo mundo gosta de fazer musculação, e tudo bem! O importante é escolher uma atividade física que você goste.
Durma bem: O sono é um grande aliado de quem quer perder peso. Por isso, não pule noites e durma tanto quanto o seu corpo precisar!
Mastigue bem: Mastigar bem os alimentos é muito importante por 2 motivos. O primeiro é porque ele ajuda na digestão dos alimentos, que já chegam em pedaços menores no estômago. O segundo motivo e devido à sensação de saciedade… ao mastigar mais vezes, você levará mais tempo para terminar a sua refeição e se saciar mais rápido.

Com essas dicas simples, você notará mudanças não só na balança, como na sua saúde e bem estar!

O post 20 Pequenas mudanças que vão te fazer Perder Peso apareceu primeiro em Bem de Saúde.

Você sabe a diferença entre TPM e TDPM? 0

Você sabe a diferença entre TPM e TDPM?

Você sabe a diferença entre TPM e TDPM?

Independe de ser homem ou mulher, você provavelmente já ouviu falar em TPM e já sabe o que ela significa. Mas você já ouviu falar em TDPM?

De acordo com o psiquiatra,  Dr. Joel Rennó Jr, e a nutricionista Dra. Adriana Trejger Kachani existe uma diferença significativa entre as duas.

E, embora tanto a TPM quanto a TDPM possam afetar negativamente a vida das mulheres, elas tem tratamento!

Mas antes, assista ao vídeo abaixo e entenda melhor a diferença entre a TPM e a TDPM!

Fonte: Canal Você Bonita

O que é TPM?

Por definição, TPM, ou tensão pré-menstrual, se define como um conjunto de sinais e sintomas que antecedem a menstruação e que desaparecem junto com ela.

Isso acontece porque durante este período as variações nos níveis de estrogênio e progesterona são muito grandes. Porém, é importante lembrar que nem todas as mulheres experimentam os mesmos sintomas e na mesma intensidade.

Para algumas, os 10 dias que antecedem a menstruação podem ser tranquilos, com poucos ou nenhum sintoma. Por outro lado, para algumas mulheres os sintomas podem ser bastante incômodos.

Embora possa realmente atrapalhar a qualidade de vida da uma mulher, a TPM não é uma doença e os sintomas podem ser tratados facilmente.

Alguns pequenos ajustes nos hábitos e na alimentação já podem representar uma grande melhora nos sintomas mais incômodos!

Mas afinal, qual a diferença entre TPM e TDPM?

O que é TDPM?

TDPM é a sigla que designa o Transtorno Dismórfico Pré-menstrual.

Tecnicamente, a TDPM é a mesma coisa que a TPM, já que as duas acontecem no período que antecede a menstruação. Entretanto, ela é considerada pelo OMS como uma doença psiquiátrica que afeta cerca de 5% das mulheres que estão no período menstrual.

Em outras palavras, é como se fosse uma espécie de TPM mais forte, onde os sintomas físicos, emocionais e psicológicos afetam a mulher de maneira muito mais grave. Em alguns casos pode trazer grande prejuízos para vida familiar, emocional e profissional da mulher.

Outra diferença entre os dois é que o transtorno dismórfico pré-menstrual deve receber um diagnóstico médico. Além disso, o tratamento e acompanhamento deverá ser feito por um psiquiatra e um ginecologista, por exemplo.

Neste caso, além dos ajustes, deverá ser feito também um tratamento com alguns medicamentos que podem ajudar, afirma o Dr. Joel Renó Junior.

Como saber se tenho TPM ou TDPM?

Agora que você já entendeu a diferença entre TPM e TDPM, pode ser que você esteja se perguntando qual seria o seu caso.

Algumas dicas simples podem ajudar você a descobrir

Conheça o seu ciclo, se ele é de mais ou menos que 28 dias
Saiba quanto tempo dura a sua menstruação e qual a intensidade do fluxo
Anote os dias nos quais os sintomas aparecem mais
Anote os dias em que a variação  de humor for maior.

Mas lembre-se que antes de começar qualquer tratamento medicamentoso, é importante consultar um médico!

O post Você sabe a diferença entre TPM e TDPM? apareceu primeiro em Bem de Saúde.

Primeiros Socorros: Atendimento em caso de parada cardiorrespiratória 0

Primeiros Socorros: Atendimento em caso de parada cardiorrespiratória

O atendimento em caso de parada cardiorrespiratória tem como principal objetivo o suporte básico de vida.

Em outras palavras, manter a vítima respirando e com o coração proporcionando o bombeamento do sangue para os diversos sistemas do corpo humano, durante o tempo que se espera por atendimento médico.

Mas o que mais você pode fazer?

O que é a Parada Cardiorrespiratória?

Não é o mesmo que ataque cardíaco!

A parada cardiorrespiratória acontece a partir do momento em que o coração para de funcionar e a vítima para de respirar. Quando isso acontece, é necessário fazer massagem cardíaca, de modo que force o coração a bater novamente.

Quais os sintomas?

Os principais sintomas são estes:

falta de ar
dor no peito
suor frio
visão embaçada
perda da consciência
desmaio

O que causa?

Podem ser várias as causas que levem a uma parada cardiorrespiratória. Porém, na maioria das vezes elas estão ligadas a problemas cardíacos.

Porém, outras causas possíveis são hemorragias, acidentes, problemas neurológicos, falta ou excesso de açúcar no sangue ou infecções generalizadas.

Elas podem acontecer quando a pessoa está aparentemente saudável ou quando já está no hospital. Por isso, embora ela aconteça com maior frequência com pessoas de mais idade, ela pode também atingir crianças e jovens.

O que fazer?

A primeira coisa que se deve fazer é ligar para o número de emergência, 192.

Porém, enquanto o atendimento não chega, veja o que você pode fazer para ajudar em caso de parada cardiorrespiratória.

Deite a vítima em uma superfície dura com a barriga para cima.
Incline a cabeça da vítima e tracione o queixo para trás. A extensão da cabeça, permite a elevação da mandíbula permitindo que o ar passe livremente.
Para fazer a massagem cardíaca: Pressione o osso esterno, que fica mais ou menos no meio do peito. Para isso, as mãos devem ser sobrepostas, dedos entrelaçados e somente uma das mãos em contato com o corpo da vítima.
As compressões fazem com que o sangue circule, substituindo assim o trabalho que seria feito pelo coração.
Para fazer os movimentos respiratórios: Puxe bastante ar, cole a sua boca na boca da vítima e insufle até que haja elevação do tórax.
As narinas da vítima devem ser fechadas com os dedos polegar e indicador, para evitar a saída do ar que está sendo insuflado.
Não pare a ressuscitação! Mantenha o ritmo até a chegada do socorro ou até a recuperação dos movimentos cardíacos e respiratórios espontâneos.
Caso haja uma pessoa socorrendo a vítima, deve-se fazer dois movimentos respiratórios e após quinze compressões cardíacas, verificando o pulso a cada quatro ciclos.

IMPORTANTE: Caso a vítima seja um bebê ou uma criança, a massagem deverá ser feita com os dedos indicador e médio de modo a não machucar a vítima.

Pesquisas comprovam que pacientes que receberam a ressuscitação cardiorrespiratória, ao sofrerem uma parada cardiorrespiratória, possuem uma maior taxa de sobrevivência.

Isso acontece porque este primeiro atendimento garante a manutenção da respiração e circulação da vítima até o atendimento médico, que deve ser feito com urgência!

O post Primeiros Socorros: Atendimento em caso de parada cardiorrespiratória apareceu primeiro em Bem de Saúde.

O que é a Gonorreia? Conheça os sintomas e formas de prevenção 0

O que é a Gonorreia? Conheça os sintomas e formas de prevenção

Blenorreia, esquentamento, pingadeira, purgação, uretrite gonocócica. Esses são apenas alguns dos nomes da Gonorreia, uma das DSTs mais comuns no mundo.

Atualmente,  existem cerca de 2 milhões de novos casos ao ano apenas aqui no Brasil. Justamente por isso, conhecer os sintomas e as formas de prevenção é extremamente importante para prevenir a gonorreia!

Mas antes, vamos falar um pouco sobre o que é essa doença…

O que é a Gonorreia?

Definitivamente, a gonorreia não é uma doença nova… Na verdade, existem descrições da doença que datam de mais de 2000 a.C.!

A forma de transmissão mais comum é por meio de sexo desprotegido, ou seja sem camisinha, mas pode ser transmitida por meio de objetos contaminados, ou da mãe para o filho.

Ela se caracteriza por ser uma doença sexualmente transmissível causada por uma bactéria, a Neisseria gonorrhoeae. Esta bactéria afeta especialmente os tratos genital e urinário, mas pode se espalhar para outras partes se não for tratada.

Além disso, ela pode ou não apresentar sintomas aparentes, o que a torna uma doença extremamente perigosa, especialmente para as mulheres…

Gonorreia nos homens…

Nos homens a gonorreia geralmente se manifesta na forma de infeção do trato urinário, em até 10 dias após a relação sexual. Alguns dos sintomas são:

dor ao urinar
ardência na região genital
secreção branca ou amarelada que sai na urina
aumento da necessidade de urinar
em casos mais graves, urina com sangue

Gonorreia nas mulheres…

Geralmente as mulheres não costumam apresentar sintomas da gonorreia, mas ainda assim podem transmiti-la, especialmente se não for tratada.

Desconforto na região genital
secreção semelhante a pus
aumento da necessidade de urinar

Gonorreia em crianças

Quando se manifesta em crianças, a gonorreia pode ter duas causas: a primeira é que a criança foi infectada durante o nascimento, e a segunda é devido ao abuso sexual.

No primeiro caso, ela costuma se manifestar na forma de conjuntivite gonocócica, ou seja, uma infecção bacteriana nos olhos. Já no segundo, os sintomas costumam ser dor ao urinar, pus e vermelhidão na região vaginal.

Seja qual for o caso, um diagnóstico e tratamento precoces podem evitar sequelas e consequências mais graves como a esterilidade, por exemplo.

Como é feito o diagnóstico?

Geralmente, o período de incubação da doença é de 2 a 5 dias, podendo chegar a um máximo de 10 dias. Após esse período, os sintomas já começam a se manifestar, especialmente nos homens.

Já nas mulheres, o diagnóstico preventivo é o mais recomendado, já que a doença costuma ser assintomática nesses casos.

O diagnóstico da gonorreia costuma ser simples e pode ser feito por meio de exames clínicos, microscópicos ou bacteriológicos que examinem a secreção. Desse modo é possível identificar a existência da bactéria e fazer o diagnóstico correto da doença.

Por isso, vale lembrar que que o diagnóstico deve ser feito por um médico qualificado e que possa prescrever o tratamento ideal para você!

ATENÇÃO: Embora seja uma doença mais relacionada à região genital, a gonorreia pode se espalhar, especialmente se não for tratada. Ela pode atingir a região do ânus (gonorreia retal), da garganta (faringite gonocócica), dos olhos (conjuntivite gonocócica), ou até mesmo as articulações (artrite séptica gonocócica) e sangue (infecção gonocócica disseminada).

Como funciona o tratamento?

Em geral, os tratamentos são feitos à base de remédios antibióticos como a ceftriaxina e a azitromicina, que podem ser via orais ou injetáveis.

Retorne ao médico 1 ou 2 semanas após o tratamento para ter certeza de que a bactéria causadora desapareceu totalmente.
Tome a medicação durante todo o tempo prescrito, mesmo que os sintomas tenham parado antes de ter acabado a medicação.
Não tenha relações sexuais até que seu médico diga que não há mais evidências. Isso evita a contaminação do seu parceiro e garante a saúde de todos.

Quando a doença é diagnosticada com antecedência, o tratamento pode ser simples e muito eficaz! Por isso, se você desconfia que pode ter alguns dos sintomas que citamos acima, busque auxílio médico!

Como prevenir a gonorreia

Diga ao seu parceiro sexual que ele está exposto à gonorreia.
Use sempre preservativos durante relação sexual, anal, vaginal ou oral. A camisinha é a melhor forma de prevenir esta e outras DSTs!
Não compartilhe toalhas ou objetos pessoais íntimos que podem conter a bactéria.

Mesmo que você não apresente sintomas, mas tenha tido alguma relação sexual sem proteção, procure seu médico ou clínica para checar gonorreia ou outras doenças sexualmente transmissíveis.

E lembre-se sempre de fazer sexo seguro.

A sua saúde deve sempre vir em primeiro lugar!

O post O que é a Gonorreia? Conheça os sintomas e formas de prevenção apareceu primeiro em Bem de Saúde.

0

Top 10 principais Fontes de Fibras

As fibras são extremamente importantes para o bom funcionamento do nosso organismo. E, embora elas sejam mais conhecidas por melhorarem a digestão, os benefícios vão muito além disso!

Na verdade, as fibras ajudam a prevenir e tratar as doenças cardiovasculares e diabetes, a controlar o colesterol e a combater a obesidade.

Por isso, o consumo de alimentos ricos em fibras é essencial para ter uma alimentação equilibrada e uma vida saudável.

De uma maneira geral, elas podem ser encontradas em alimentos de origem vegetal, como grãos, por exemplo, e o consumo ideal fica entre 20 e 25 gramas diárias.

Porém – e infelizmente -, a dieta ocidental é muito pobre em nutrientes, vitaminas, e é claro, fibras. O resultado disso é a disseminação de problemas como a constipação intestinal, a diverticulose, as hemorroidas, o câncer de cólon, entre outros.

Mas, com uma alimentação correta você pode evitar tudo isso!

Confira agora as 10 melhores fontes de fibra (e mais um extra no final)!

1. Feijão (grãos)

Não é nenhuma surpresa que o feijão esteja em primeiro lugar nessa lista! Isso porque, além do alto percentual de fibras, ele também é rico em antioxidantes, em especial os do tipo flavonoides, que ajudam a combater o envelhecimento das células.

Mas além do feijão, é recomendado também o consumo de outros grãos, como a lentilha, a ervilha, o grão de bico, entre outros. O mais importante é não deixar de incluir os grãos na sua alimentação!

2. Arroz integral

Nada combina mais com um prato de feijão do que um bom prato de arroz, não e verdade?

O arroz, por si só, já é rico em fibras, mas quando substituído por seu irmão mais saudável, o arroz integral, pode ser ainda melhor!

3. Linhaça (sementes)

A linhaça poderia ser considerada uma campeã de fibras! Ela possui uma alta quantidade de fibras por cada 100g e melhora muito os processos digestivos.

Além disso, ela pode ser incluída em saladas, saladas de frutas, cereais e por aí vai. Outras opções são também a chia e o gergelim, por exemplo.

4. Aveia (cereais)

Esta é, talvez, a mais conhecida fonte de fibras atualmente…

Do mesmo modo que a linhaça, a aveia é um cereal muito rico em fibras e que, portanto, pode auxiliar a regular o intestino. Com saladas, iogurtes e frutas se torna uma ótima opção para os lanches da tarde. Outras opções são o trigo, a cevada e a farinha de aveia.

5. Maçã 

As frutas, de uma maneira geral são alimentos ricos em fibras e vitaminas essenciais. No caso de frutas como a maçã, por exemplo, o ideal é comer com casca e tudo. Isso porque, no caso das frutas, as fibras se concentram principalmente na casca.

6. Abacate

Das frutas, o abacate é, talvez, a mais rica em fibras. Ele é também rico em gorduras e, por isso, deve-se tomar cuidado e não exagerar.

No Brasil, estamos acostumados a comê-lo como uma fruta, especialmente como uma bebida. Porém, em outros países, o mais normal é incluir o abacate na salada e em pratos salgados.

7. Milho

Como bom grão, o milho é também uma ótima fonte de fibras, que podem lhe ajudar a regular o intestino.

Porém, não é de qualquer milho que estamos falando! O milho enlatado e em conserva, por exemplo, perder muito das suas propriedades benéficas. Por isso, opte sempre pelo milho in natura, ok?!

8. Batata doce

Além de fornecer energia para o corpo em função da quantidade de carboidratos, a batata doce também é rica em ferro, potássio e vitaminas A, C e fibras.

Por isso, incluir a batata doce na sua dieta poderá fazer maravilhas pela sua saúde e pela saúde do seu intestino!

9. Soja

A soja é um alimento polêmico e disso não há dúvidas. Porém, a polêmica se concentra em torno das desvantagens da soja transgênica. No entanto, não há dúvidas de que a soja não-transgênica é uma ótima fonte de fibras e outros nutrientes.

Ela é utilizada há muito tempo nas culinárias orientais e pode ser encontrada em outros subprodutos, como o tofu, por exemplo.

10. Brócolis

O brócolis é muito conhecido por ser um alimento extremamente rico em ferro. Porém, ele é também uma ótima fonte de fibras!

EXTRA: Moringa Oleífera

A Moringa Oleífera é uma planta de origem indiana e que é muito conhecida pela incrível quantidade de nutrientes, vitaminas e sais minerais.

Como não poderia deixar de ser, ela é também rica em fibras, ajudando a regular importantes funções do corpo. Por isso, incluí-la na sua alimentação trará apenas benefícios!

Agora não há mais desculpas para não incluir as fibras na sua alimentação!

O post Top 10 principais Fontes de Fibras apareceu primeiro em Bem de Saúde.

0

3 PASSOS PARA TRANSFORMAR SUA VIDA

Descubra os três passos simples para acessar a INTELIGÊNCIA ESPIRITUAL e transformar sua vida completamente. Encontre muito mais sentido e alegria de …