Monthly Archive: Março 2019

0

Soltar o intestino: como fazer isso sem usar remédios?

Algo que para uns é rotina, para outros pode ser um grande um drama, não é verdade? Conseguir soltar o intestino muitas vezes é uma verdadeira saga! Quem convive com a prisão de ventre sabe muito bem disso… Há quem tente um pouco de tudo antes de ter algum resultado!

Num aperto, muitas vezes quem “resolve” o problema são os remédios. Mas, apesar dos laxantes e remédios similares ajudarem em um primeiro momento, a longo prazo nem sempre proporcionam um melhor funcionamento do seu intestino.

Por isso, o mais recomendado é que se mude alguns hábitos para não precisar recorrer aos remédios! O tal do intestino preguiçoso pode responder muito bem a algumas mudanças bem simples no seu cotidiano e alimentação.

Alias, sabe o melhor de tudo? Você pode começar HOJE MESMO!

Saiba mais: Veja as 20 melhores vantagens de se caminhar todo dia! 

Beba mais água!!!

O hábito de beber água previne diversas doenças, incluindo a constipação!

Aposto que você já ouviu muito isso por aí, né? Talvez algumas vezes até tenha dito “eu já fiz isso e não foi o bastante”. Mas será que você bebeu água corretamente?

Sim! Tem uma maneira correta de consumir água. Para que a água ajude a soltar o intestino e manter o seu corpo bem hidratado, o interessante é:

Sempre beba água antes das refeições;Não beba muita água de uma vez só, distribua essa quantidade ao longo do dia, assim o corpo a absorve melhor;Prefira água em temperatura ambiente, pois a água gelada pode atrapalhar a digestão.Preste atenção na sua sede! Isso quer dizer que o seu corpo precisa de água.

Lembra aquela conversa de “beba dois litros de água por dia”? Na verdade não é exatamente assim… Essa quantidade varia muito de pessoa para pessoa, de acordo com o peso e altura, por exemplo.

Por isso, o mais importante é estar atento aos sinais do corpo e descobrir o ideal para você! De qualquer forma o importante é realmente ir bebendo água ao longo do dia, principalmente antes das refeições.

Outra dica legal é espalhar garrafinhas de água nos lugares que você costuma passar o seu tempo e sempre levar uma com você!

Saiba mais: Descubra o que fazer para controlar a diabetes!

Tenha uma alimentação mais saudável

A água sozinha não vai fazer milagre, viu? Inclusive, um dos melhores jeitos naturais de soltar o intestino, é ter uma alimentação rica em fibras!

Isso porque as fibras, que não são digeridas pelo nosso organismo, junto com a água, ajudam muito no processo digestivo. Além disso, as fezes ficam menos duras e exigem menos esforço na hora de sair.

Inclusive, os alimentos ricos em fibras são muuuitos e tem pra todo gosto! Desde os grãos e farelos integrais (arroz, aveia, linhaça…) até os legumes e frutas. Então, não tem desculpa para não incluir eles na dieta!

Aliás, outra dica importante é evitar alguns outros alimentos que prejudicam a sua digestão. É o caso das comidas industrializadas. Frequentemente elas são pobres em fibras e ricas em outras substâncias que às vezes até mesmo agridem a sua flora intestinal.

Afinal, são essas bactérias que vivem no seu sistema digestivo que te ajudam a transformar a comida dentro de você! Esse é o grande motivo por trás da nossa próxima dica:

Saiba mais: quais são as principais fontes de fibras?

Busque alimentos probióticos naturais!

Iogurte, kefir, e até mesmo o picles são probióticos que ajudam a manter a sua flora intestinal saudável!

Muita gente toma iogurte todos os dias pela manhã para ajudar a soltar o intestino, não é verdade? 

Bem, ele realmente pode ajudar! Ainda mais se ele for natural. Isso acontece porque o iogurte é um dos alimentos probióticos mais conhecidos. Mas não é o único!

Além dele também temos o kefir e outros alimentos fermentados que, se consumidos diariamente, melhoram a digestão de quem sofre de intestino preso.

Isso acontece porque esses alimentos possuem bactérias que não são nocivas para a nossa saúde, como os Lactobacillus. Como elas digerem parte do que nós comemos, aceleram o processo digestivo e ajudam em uma boa formação do bolo fecal.

Saiba mais: Será que a Moringa REALMENTE ajuda a controlar o peso?

Exercícios físicos ajudam a soltar o intestino

Andar de bicicleta por 30 minutos diariamente, por exemplo, pode te ajudar a não precisar tomar remédios todos os dias para evacuar!

Além do que você ingere, o quanto você se movimenta também importa para a soltar o intestino.

Praticar pelo menos 30 minutos diários de atividade física contribui para uma melhor circulação. Por isso, ajuda também o seu sistema digestivo a funcionar melhor e, por consequência, previne a prisão de ventre.

Nesse caso, o mais recomendado são os exercícios aeróbicos, que vão ser mais eficientes para aumentar a circulação na região do intestino.

Mas é sempre importante lembrar: espere a sua digestão terminar antes de fazer os exercícios! Se for se exercitar após alguma grande refeição, espere pelo menos uma hora.

Caso contrário, seu organismo terá dificuldades em manter a circulação sanguínea no sistema digestório e nos músculos ao mesmo tempo. Isso pode causar constipação, gases, entre outros problemas… Então, melhor esperar, né?!

Saiba mais: Conheça os benefícios do exercício físico!

Gostou das dicas? São hábitos simples mas que podem fazer toooda a diferença… E se você tiver outras sugestões, é só deixar um comentário aqui em baixo!

O post Soltar o intestino: como fazer isso sem usar remédios? apareceu primeiro em Bem de Saúde.

0

Soltar o intestino: como fazer isso sem usar remédios?

Algo que para uns é rotina, para outros pode ser um grande um drama, não é verdade? Conseguir soltar o intestino muitas vezes é uma verdadeira saga! Quem convive com a prisão de ventre sabe muito bem disso… Há quem tente um pouco de tudo antes de ter algum resultado!

Num aperto, muitas vezes quem “resolve” o problema são os remédios. Mas, apesar dos laxantes e remédios similares ajudarem em um primeiro momento, a longo prazo nem sempre proporcionam um melhor funcionamento do seu intestino.

Por isso, o mais recomendado é que se mude alguns hábitos para não precisar recorrer aos remédios! O tal do intestino preguiçoso pode responder muito bem a algumas mudanças bem simples no seu cotidiano e alimentação.

Alias, sabe o melhor de tudo? Você pode começar HOJE MESMO!

Saiba mais: Veja as 20 melhores vantagens de se caminhar todo dia! 

Beba mais água!!!

O hábito de beber água previne diversas doenças, incluindo a constipação!

Aposto que você já ouviu muito isso por aí, né? Talvez algumas vezes até tenha dito “eu já fiz isso e não foi o bastante”. Mas será que você bebeu água corretamente?

Sim! Tem uma maneira correta de consumir água. Para que a água ajude a soltar o intestino e manter o seu corpo bem hidratado, o interessante é:

Sempre beba água antes das refeições;Não beba muita água de uma vez só, distribua essa quantidade ao longo do dia, assim o corpo a absorve melhor;Prefira água em temperatura ambiente, pois a água gelada pode atrapalhar a digestão.Preste atenção na sua sede! Isso quer dizer que o seu corpo precisa de água.

Lembra aquela conversa de “beba dois litros de água por dia”? Na verdade não é exatamente assim… Essa quantidade varia muito de pessoa para pessoa, de acordo com o peso e altura, por exemplo.

Por isso, o mais importante é estar atento aos sinais do corpo e descobrir o ideal para você! De qualquer forma o importante é realmente ir bebendo água ao longo do dia, principalmente antes das refeições.

Outra dica legal é espalhar garrafinhas de água nos lugares que você costuma passar o seu tempo e sempre levar uma com você!

Saiba mais: Descubra o que fazer para controlar a diabetes!

Tenha uma alimentação mais saudável

A água sozinha não vai fazer milagre, viu? Inclusive, um dos melhores jeitos naturais de soltar o intestino, é ter uma alimentação rica em fibras!

Isso porque as fibras, que não são digeridas pelo nosso organismo, junto com a água, ajudam muito no processo digestivo. Além disso, as fezes ficam menos duras e exigem menos esforço na hora de sair.

Inclusive, os alimentos ricos em fibras são muuuitos e tem pra todo gosto! Desde os grãos e farelos integrais (arroz, aveia, linhaça…) até os legumes e frutas. Então, não tem desculpa para não incluir eles na dieta!

Aliás, outra dica importante é evitar alguns outros alimentos que prejudicam a sua digestão. É o caso das comidas industrializadas. Frequentemente elas são pobres em fibras e ricas em outras substâncias que às vezes até mesmo agridem a sua flora intestinal.

Afinal, são essas bactérias que vivem no seu sistema digestivo que te ajudam a transformar a comida dentro de você! Esse é o grande motivo por trás da nossa próxima dica:

Saiba mais: quais são as principais fontes de fibras?

Busque alimentos probióticos naturais!

Iogurte, kefir, e até mesmo o picles são probióticos que ajudam a manter a sua flora intestinal saudável!

Muita gente toma iogurte todos os dias pela manhã para ajudar a soltar o intestino, não é verdade? 

Bem, ele realmente pode ajudar! Ainda mais se ele for natural. Isso acontece porque o iogurte é um dos alimentos probióticos mais conhecidos. Mas não é o único!

Além dele também temos o kefir e outros alimentos fermentados que, se consumidos diariamente, melhoram a digestão de quem sofre de intestino preso.

Isso acontece porque esses alimentos possuem bactérias que não são nocivas para a nossa saúde, como os Lactobacillus. Como elas digerem parte do que nós comemos, aceleram o processo digestivo e ajudam em uma boa formação do bolo fecal.

Saiba mais: Será que a Moringa REALMENTE ajuda a controlar o peso?

Exercícios físicos ajudam a soltar o intestino

Andar de bicicleta por 30 minutos diariamente, por exemplo, pode te ajudar a não precisar tomar remédios todos os dias para evacuar!

Além do que você ingere, o quanto você se movimenta também importa para a soltar o intestino.

Praticar pelo menos 30 minutos diários de atividade física contribui para uma melhor circulação. Por isso, ajuda também o seu sistema digestivo a funcionar melhor e, por consequência, previne a prisão de ventre.

Nesse caso, o mais recomendado são os exercícios aeróbicos, que vão ser mais eficientes para aumentar a circulação na região do intestino.

Mas é sempre importante lembrar: espere a sua digestão terminar antes de fazer os exercícios! Se for se exercitar após alguma grande refeição, espere pelo menos uma hora.

Caso contrário, seu organismo terá dificuldades em manter a circulação sanguínea no sistema digestório e nos músculos ao mesmo tempo. Isso pode causar constipação, gases, entre outros problemas… Então, melhor esperar, né?!

Saiba mais: Conheça os benefícios do exercício físico!

Gostou das dicas? São hábitos simples mas que podem fazer toooda a diferença… E se você tiver outras sugestões, é só deixar um comentário aqui em baixo!

O post Soltar o intestino: como fazer isso sem usar remédios? apareceu primeiro em Bem de Saúde.

0

45% dos homens tem Impotência Sexual! Você é um deles?

Pesquisa revela que a cada 100 homens, 45 sofrem com algum tipo de impotência sexual. Portanto, as chances de você fazer parte desta estatística são altíssimas!

Se você NUNCA FALHOU NA HORA H, este artigo não é pra você!

Aliás, se você não tem medo de falhar no sexo, você deve parar de ler este artigo agora mesmo!

Agora, se você faz parte da enorme maioria de homens que já ‘falhou’ – ou tem medo de falhar – naquela hora mais importante, seja bem vindo!

Saiba mais: Testosterona baixa pode afetar a saúde do homem!

O monstro da impotência sexual

A impotência sexual, também chamada de disfunção erétil, afeta milhares de homens!

Na verdade, como bem afirma o título desta matéria, cerca de 45% dos homens sofre com algum tipo de disfunção sexual.

Só que este número pode aumentar para até 70% dependendo de outros fatores, como a sua idade, por exemplo.

Portanto, a má notícia é que muito provavelmente você faz – ou ainda vai fazer – parte desta estatística macabra!

Por outro lado, a boa notícia é que existe uma chance de você não ter que passar por esta frustração.

Até porque, este é um problema que não pode ser ignorado assim!

Como você vê, a quantidade de homens ‘broxas’ é muito maior do que você poderia pensar mesmo nos seus piores pesadelos. Só que quase ninguém fala sobre isso…

Por que os homens não falam sobre isso?

Este ainda é um assunto tabu para muitos homens!

De um modo geral, existem 2 coisas que os homens temem mais do que tudo quando o assunto é sexo: não conseguir ter uma ereção – o popular ‘broxar’-, ou gozar rápido demais.

E embora muitos homens não admitam isso, quase todos já passaram por uma situação dessas. Ou, como já mencionamos antes, ainda irão passar…

Só que você dificilmente verá homens conversando sobre o assunto na cantina do escritório ou em uma mesa de bar, por exemplo.

Aliás, você provavelmente nunca terá a chance de conversar com alguém sobre aquela vez que você ‘broxou’, ou aquela outra vez em que gozou rápido demais.

Talvez um dia você possa conversar sobre o tema com o seu médico e isso apenas SE você buscar um médico…

Sim, porque para buscar um médico você primeiro precisa admitir que você tem um problema na hora do sexo.

E além disso, você precisaria, é claro, ir até o médico, correndo o risco de encontrar conhecidos no caminho. E qual homem em sã consciência faria isso?

Que tipo de homem admitiria publicamente que precisa de ajuda para voltar a ter uma vida sexual saudável, talvez até mesmo para salvar seu relacionamento?

Quem faria isso arriscando virar motivo de piada entre os amigos e colegas de trabalho?

Saiba mais: Você, mulher, tomaria a pílula do orgasmo?

“Homem não pode falhar”

A ideia de que “homem não pode falhar” é uma pressão muito grande na hora H!

Pois é, ainda existe uma pressão absurda sobre os homens quando o assunto é sexo. Ainda reina a ideia de que nós devemos ser sempre dominantes e que nunca podemos falhar.

E, infelizmente, o homem que não consegue corresponder à essas expectativas – a maioria, diga-se de passagem -, vira motivos de riso.

Por isso, muitos não admitem que talvez precisem de uma forcinha na hora H…

Por isso, muitos homens sofrem calados com a vergonha, a frustração, a irritação e a falta de autoconfiança que problemas como a disfunção erétil e a ejaculação precoce podem trazer…

Só que não precisa ser assim!

Mas, antes de falarmos da solução, gostaríamos de fazer uma pergunta muito importante: você sabe a diferença entre a disfunção erétil e a ejaculação precoce?

Saiba mais: Como reconhecer os sintomas da disfunção erétil?

Os vários tipos de impotência sexual

Impotência sexual é o nome de apenas uma disfunção sexual!

Quando o assunto é impotência sexual, o assunto pode ficar muito interessante!

Até porque, para a maioria dos homens, qualquer dificuldade sexual pode ser uma impotência sexual.

Porém, a realidade não é bem por aí…

A verdade é que o termo “impotência sexual” é o nome de apenas 1 tipo de disfunção sexual. Aliás, vamos dar uma olhada no que é cada uma!

Saiba mais: TUDO que você precisa saber sobre alimentos afrodisíacos!

1. O que é a disfunção sexual?

Bem, de todos os termos usados aqui, este é o mais abrangente. E não sem motivos!

Disfunção sexual é o termo utilizado para descrever qualquer dificuldade sentida por um parceiro ou por um casal durante o sexo!

Elas incluem, por exemplo, a impotência sexual e a ejaculação precoce, sobre as quais já vamos falar. Entretanto, elas não se limitam apenas a essas duas não!

Eis alguns outros exemplos de disfunções sexuais:

Síndrome da Ejaculação RetardadaDesejo Sexual HipoativoDispaurenia

Entretanto, as que mais afetam os homens são a impotência sexual e a ejaculação precoce e, por esse motivo, vamos falar mais sobre elas!

2. O que é a impotência sexual?

É que existem diversas causas para a impotência sexual, internas ou externas. Aliás, você sabia que impotência sexual já é um termo em desuso?

Cientificamente falando, o termo mais aceito atualmente é disfunção erétil, que é uma das causas para a dificuldade na hora H.

Mais especificamente, a disfunção erétil é a dificuldade em ter ou manter uma ereção por tempo suficiente para a penetração ou o ato sexual como um todo.

Em outras palavras, a disfunção erétil é o termo médico e científico que descreve os homens que ‘broxam’.

Vale lembrar que a disfunção erétil afeta quase 50% dos homens brasileiros, especialmente a partir dos 50 anos.

3. O que é a ejaculação precoce?

Por outro lado, a ejaculação precoce nada tem a ver com a dificuldade em ter uma ereção.

Aliás, muito pelo contrário! Para quem sofre com a ejaculação precoce a ereção se torna um problema por outro motivo: a duração.

Ou seja, este é o caso dos homens ‘apressadinhos’ e que acabam gozando rápido demais, às vezes antes mesmo da penetração acontecer.

E embora isso possa acontecer com homens acima dos 30 anos, o mais comum é que afete os homens mais jovens. Estima-se que 1 em cada 3 jovens brasileiros não tenham uma vida sexual normal devido à ejaculação precoce!

Como você pode perceber, ambos são muito diferentes entre si. Só que, segundo indicam as pesquisas, elas afetam milhares de homens.

Só que ainda que estas estatísticas assustem qualquer um, a solução para esses problemas pode ser mais fácil do que você imaginou!

Como não fazer parte destas estatísticas?

O primeiro passo é buscar auxílio especializado!

Não ter uma vida sexual feliz e saudável pode ser realmente frustrante, especialmente se você estiver em um relacionamento!

Entretanto, a boa notícia é que não precisa ser assim! Pelo menos não para você! Porém, como buscar ajuda especializada sem correr o risco de se expor publicamente?

Bom quanto a isso você não precisaria se preocupar! Felizmente, existem alguns tratamentos que podem ajudar você de maneira eficaz!

Saiba mais: Você já falhou na hora H? Saiba o que você pode fazer!

Saiba mais:

Curtiu o artigo de hoje? Deixe seu comentário aqui embaixo pra gente!

O post 45% dos homens tem Impotência Sexual! Você é um deles? apareceu primeiro em Bem de Saúde.

0

Prevenção e controle das ISTs: o que você precisa saber

Se você não sabe o que são ISTs, este artigo é para você! E se você já sabe, também! Eis o que você precisa saber sobre prevenção e controle das ISTs!

Talvez a sigla IST pareça estranha para você, mas com certeza você está familiarizado com o conceito!

Afinal de contas, você certamente já ouviu falar das Doenças Sexualmente Transmissíveis, também conhecida como DSTs. Pelo menos até algum tempo atrás…

Isso porque, há alguns anos, o Ministério da Saúde adotou a terminologia Infecções Sexualmente Transmissíveis, as tais ISTs. Do mesmo modo que as DSTs, as ISTs podem ser causadas por vírus, bactérias ou outros microrganismos.

Também podem ser transmitidas, principalmente, por meio de contato sexual oral, vaginal ou anal, sem o uso de preservativo masculino ou feminino, com uma pessoa que esteja infectada.

O que muda então? Apenas o nome, que passa a destacar a possibilidade de alguém ter e transmitir uma infecção mesmo sem apresentar sinais ou sintomas.

E esse, senhoras e senhores, é o principal motivo pela qual devemos nos preocupar com as ISTs!

Saiba mais: TUDO que você precisa saber sobre as DSTs!

Por que se preocupar com as ISTs?

Cada vez mais aumentam os índices de jovens infectados com alguma IST!

Primeiramente, porque elas não são brincadeira! E o pior é que a cada dia surgem novos casos de doenças sexualmente transmissíveis, especialmente entre os mais jovens!

De acordo com o Ministério da Saúde, os casos de AIDS, sífilis e gonorreia entre jovens brasileiros na faixa de 20 a 24 anos aumentou exponencialmente. E o problema pode ser muito maior, já que outros países como EUA e outros países europeus também tiveram aumento nessas estatísticas.

Vale lembrar que os grupos de risco não se restringem apenas aos gays, usuários de drogas e trabalhadoras do sexo. Aliás, isso pode ter sido verdade no início da década de 80, mas hoje em dia, TODOS e TODAS as pessoas sexualmente ativas fazem parte do grupo de risco!

O principal motivo para isso é a negligência do uso da camisinha, especialmente por parte de jovens. Já entre os mais velhos, a falta de costume do uso da camisinha pode ser o grande responsável.

E quais ISTs mais afetam a população brasileira?

Bem, a lista é grande muito variada. Entre as que mais preocupam estão a AIDS, a sífilis e o HPV, por exemplo. Apesar disso, outras infecções sexualmente transmissíveis como as hepatites B e C, a gonorreia e a clamídia também aumentaram.

Felizmente, tratamentos oferecidos gratuitamente na rede pública de saúde, assim como o avanço das pesquisas ajudam a contornar o problema. Aliás, neste caso, o diagnóstico precoce é crucial!

Entretanto, nada disso substitui a prevenção! Falando nela, existem algumas formas de se prevenir que vão além da famosa camisinha…

Saiba mais: O que é a Gonorreia? Sintomas e formas de tratamento!

Prevenção e controle das ISTs

A prevenção combinada reúne diversos métodos de prevenção e controle das ISTs.

A melhor forma de prevenir infecções sexualmente transmissíveis é por meio da camisinha, certo?

Sim! Mas o que muita gente não sabe é que existe muitas outras formas de prevenção e controle das ISTs. Um dos melhores métodos se chama prevenção combinada e é justamente isso: uma combinação de diversos métodos preventivos.

Em outras palavras, a prevenção combinada é uma espécie de estratégia que faz uso de diferentes abordagens de prevenção, como a biomédica, a comportamental e a estrutural.

Intervenções Médicas: São ações voltadas à redução do risco de exposição. Exemplos de intervenções médicas são o uso da camisinha e os antirretrovirais utilizados na prevenção e controle do HIV.Intervenções Comportamentais: São ações que contribuem para o aumento da informação, da prevenção e do controle de ISTs. Exemplos de intervenções comportamentais são as campanhas de conscientização do uso da camisinha.Intervenções Estruturais: São ações voltadas aos fatores e condições socioestruturais que influenciam diretamente a vulnerabilidade de indivíduos e grupos sociais específicos. São exemplos disso o combate ao racismo, ao sexismo, à LGBTfobia e demais preconceitos.

Tais métodos podem ser aplicados ao mesmo tempo ou em sequência. Tudo irá depender das características da IST e do momento de vida de cada pessoa. Aliás, estes são alguns dos métodos que podem ser combinados na prevenção e controle das ISTs:

Campanhas de conscientizaçãoUso de PreservativosTestagem regular para HIV e outras ISTsPrevenção da transmissão vertical Tratamento das infecções sexualmente transmissíveisVacinação contra o HPVProfilaxia Pré-exposição (PrEP)Profilaxia Pós-exposição (PEP)

Vamos conhecer um pouco mais sobre cada método?

1. Campanhas de conscientização

Campanha de conscientização do uso da camisinha proposta pelo Ministério da Saúde em 2018!

Tratam-se de peças e campanhas publicitárias que visam alertar sobre o risco, a prevenção e controle das ISTs. O principal objetivo é informar a população sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce.

Podem ser campanhas online – redes sociais, dispositivos de busca online, etc. – ou offline – propagandas de rádio e televisão, outdoors, folders, etc.
Além disso, elas podem ser direcionadas a grupos específicos ou não.

Saiba mais: Entenda como a falta de testosterona afeta a saúde do homem!

2. Uso de preservativos

O uso de preservativo ainda é uma dar melhores formas pra prevenir ISTs e gravidez indesejada!

É a famosa camisinha. Aliás, este é, provavelmente, o método mais conhecido, acessível e eficaz de prevenção e controle das ISTs. Além disso, ele também ajuda a prevenir a gravidez indesejada!

Vale lembrar que existem basicamente 2 tipos de preservativos: masculino e feminino. O primeiro é feito de látex e deve ser colocado no pênis ereto. Já o segundo é feito de látex ou borracha nitrílica, é usada internamente na vagina e pode ser colocada algumas horas antes da relação.

Tanto a camisinha masculina quanto a feminina podem ser encontradas gratuitamente nos postos de saúde do Sistema Único de Saúde, o SUS.

Saiba mais: Como reconhecer os sintomas da impotência sexual?

3. Testagem regular

O diagnóstico precoce é fundamental no tratamento das ISTs!

Teve relação sexual sem proteção? Então o melhor é fazer um teste para garantir que você está seguro. Afinal, o diagnóstico precoce é extremamente importante no tratamento das ISTs.

E o melhor é que você não precisa se preocupar, já que há alguns anos o SUS oferece gratuitamente alguns testes. Por exemplo, você pode solicitar exames para o HIV, a sífilis e as hepatites B e C.

Vale lembrar que no Brasil existem basicamente 2 tipos de testes: laboratoriais e rápidos. Enquanto os primeiros são mais complexos e podem levar mais tempo, os testes rápidos são práticos e de fácil execução.

Eles podem ser realizados apenas com uma gota de sangue ou com fluido oral e apresentam resultado em, no máximo, 30 minutos!

Saiba mais: O que é o HPV e porque você deve se preocupar!

4. Prevenção da transmissão vertical

A transmissão vertical de ISTs também é um grave probçema de saúde pública!

Outra forma muito comum de transmissão do HIV e outras ISTs é a transmissão vertical, ou seja, da mãe para o bebê. Por exemplo, nos casos em que a mãe é diagnosticada com alguma IST, ela pode transmiti-la ao bebê durante o parto ou a amamentação.

Por essa razão as gestantes e parcerias sexuais devem realizar os testes para HIV e outras ISTs. Além disso, o acompanhamento pré-natal também é uma importante forma de prevenção e controle das ISTs.

Caso os resultados sejam positivos, é ainda mais importante seguir à risca as recomendações dos profissionais de saúde. Afinal, o diagnóstico e o tratamento precoces podem garantir a saúde do seu bebê!

Saiba mais: 5 dicas para ter uma boa alimentação durante a gravidez!

5. Tratamento do HIV e outras ISTs

O tratamento geralmente é feito combinando diversas medicações!

Além de um diagnóstico precoce, o tratamento adequado também é fundamental. Felizmente, no Brasil, todas as pessoas que recebem um diagnóstico positivo para HIV têm o direito de receber tratamento gratuito pelo SUS.

No caso do HIV, o tratamento pode diminuir a mortalidade, as complicações da doença e melhorar a qualidade de vida. Além disso, o tratamento correto pode também diminuir a transmissão do vírus!

Isso porque uma pessoa com boa adesão ao tratamento atinge cargas virais tão baixas que a chance de transmissão é praticamente nula. Por esse motivo, funciona também como uma excelente ferramente de prevenção e controle das ISTs.

Em outras palavras, aqueles que seguem corretamente o tratamento, não adoecem e garantem a sua qualidade de vida!

6. Vacinação contra o HPV

A vacinação contra o HPV é uma das maneiras mais eficazes de prevenir a transmissão da doença!

O HPV é outra infecção sexualmente transmissível muito comum e capaz de infectar a pele e mucosas. Aliás, vale lembrar que a transmissão pode ser feita de outras formas, que não exclusivamente a sexual!

Na verdade, existem mais de 150 tipos diferentes de HPV, 40 dos quais podem afetar as regiões genitais tais como útero, vulva, vagina, pênis, ânus e orofaringe.

Entretanto, os principais vírus podem ser combatidos com duas doses da vacina contra o HPV, que está disponível gratuitamente no SUS.

Saiba mais: Conheça 3 formas de se prevenir contra o HPV!

7. Profilaxia Pré-exposição (PrEP)

Este ainda é um método relativamente novo, mas que não dispensa o uso de camisinha!

A PrEP é um novo método de prevenção do HIV, especificamente, que, como o nome fala, tem o objetivo de prevenir a exposição ao vírus.

Pra isso, a pessoa deverá tomar diariamente um comprimido que impede que o vírus HIV infecte o organismo. O comprimido tem a função de ‘bloquear’ alguns caminhos que o HIV usa para infectar o seu organismo.

Entretanto, para que funcione perfeitamente devem ser tomados alguns cuidados. Por exemplo, se você falhar um dia, o remédio pode perder todo o efeito. Além disso, este método NÃO ajuda a prevenir outras ISTs, portanto, o uso de preservativos não deverá ser dispensado, viu!

Você pode gostar: Alimentação afrodisíaca: Verdade ou Mito?

8. Profilaxia Pós-exposição (PEP)

A profilaxia pós-exposição pode ser aplicada em casos de violência sexual ou de acidente de trabalho!

Diferentemente da PrEP, a PEP é aplicada após o risco de exposição, não somente ao HIV, como também a outras ISTs.

Vale alertar que este é um método de emergência, que consiste no uso de medicamentos para reduzir o risco de contrair alguma doença.

Além disso, este é um método muito utilizados em casos de violência sexual ou em acidentes ocupacionais, como é o caso de profissionais de saúde. Em tais casos, a pessoa deverá tomar os medicamentos antirretrovirais para reduzir o risco de infecção e transmissão.

Você pode gostar: O que é e como funciona a pílula do orgasmo!

Você conhecia todos os métodos de prevenção e controle das ISTs? Deixe seu comentário aqui embaixo!

O post Prevenção e controle das ISTs: o que você precisa saber apareceu primeiro em Bem de Saúde.

0

Prevenção e controle das ISTs: o que você precisa saber

Se você não sabe o que são ISTs, este artigo é para você! E se você já sabe, também! Eis o que você precisa saber sobre prevenção e controle das ISTs!

Talvez a sigla IST pareça estranha para você, mas com certeza você está familiarizado com o conceito!

Afinal de contas, você certamente já ouviu falar das Doenças Sexualmente Transmissíveis, também conhecida como DSTs. Pelo menos até algum tempo atrás…

Isso porque, há alguns anos, o Ministério da Saúde adotou a terminologia Infecções Sexualmente Transmissíveis, as tais ISTs. Do mesmo modo que as DSTs, as ISTs podem ser causadas por vírus, bactérias ou outros microrganismos.

Também podem ser transmitidas, principalmente, por meio de contato sexual oral, vaginal ou anal, sem o uso de preservativo masculino ou feminino, com uma pessoa que esteja infectada.

O que muda então? Apenas o nome, que passa a destacar a possibilidade de alguém ter e transmitir uma infecção mesmo sem apresentar sinais ou sintomas.

E esse, senhoras e senhores, é o principal motivo pela qual devemos nos preocupar com as ISTs!

Saiba mais: TUDO que você precisa saber sobre as DSTs!

Por que se preocupar com as ISTs?

Cada vez mais aumentam os índices de jovens infectados com alguma IST!

Primeiramente, porque elas não são brincadeira! E o pior é que a cada dia surgem novos casos de doenças sexualmente transmissíveis, especialmente entre os mais jovens!

De acordo com o Ministério da Saúde, os casos de AIDS, sífilis e gonorreia entre jovens brasileiros na faixa de 20 a 24 anos aumentou exponencialmente. E o problema pode ser muito maior, já que outros países como EUA e outros países europeus também tiveram aumento nessas estatísticas.

Vale lembrar que os grupos de risco não se restringem apenas aos gays, usuários de drogas e trabalhadoras do sexo. Aliás, isso pode ter sido verdade no início da década de 80, mas hoje em dia, TODOS e TODAS as pessoas sexualmente ativas fazem parte do grupo de risco!

O principal motivo para isso é a negligência do uso da camisinha, especialmente por parte de jovens. Já entre os mais velhos, a falta de costume do uso da camisinha pode ser o grande responsável.

E quais ISTs mais afetam a população brasileira?

Bem, a lista é grande muito variada. Entre as que mais preocupam estão a AIDS, a sífilis e o HPV, por exemplo. Apesar disso, outras infecções sexualmente transmissíveis como as hepatites B e C, a gonorreia e a clamídia também aumentaram.

Felizmente, tratamentos oferecidos gratuitamente na rede pública de saúde, assim como o avanço das pesquisas ajudam a contornar o problema. Aliás, neste caso, o diagnóstico precoce é crucial!

Entretanto, nada disso substitui a prevenção! Falando nela, existem algumas formas de se prevenir que vão além da famosa camisinha…

Saiba mais: O que é a Gonorreia? Sintomas e formas de tratamento!

Prevenção e controle das ISTs

A prevenção combinada reúne diversos métodos de prevenção e controle das ISTs.

A melhor forma de prevenir infecções sexualmente transmissíveis é por meio da camisinha, certo?

Sim! Mas o que muita gente não sabe é que existe muitas outras formas de prevenção e controle das ISTs. Um dos melhores métodos se chama prevenção combinada e é justamente isso: uma combinação de diversos métodos preventivos.

Em outras palavras, a prevenção combinada é uma espécie de estratégia que faz uso de diferentes abordagens de prevenção, como a biomédica, a comportamental e a estrutural.

Intervenções Médicas: São ações voltadas à redução do risco de exposição. Exemplos de intervenções médicas são o uso da camisinha e os antirretrovirais utilizados na prevenção e controle do HIV.Intervenções Comportamentais: São ações que contribuem para o aumento da informação, da prevenção e do controle de ISTs. Exemplos de intervenções comportamentais são as campanhas de conscientização do uso da camisinha.Intervenções Estruturais: São ações voltadas aos fatores e condições socioestruturais que influenciam diretamente a vulnerabilidade de indivíduos e grupos sociais específicos. São exemplos disso o combate ao racismo, ao sexismo, à LGBTfobia e demais preconceitos.

Tais métodos podem ser aplicados ao mesmo tempo ou em sequência. Tudo irá depender das características da IST e do momento de vida de cada pessoa. Aliás, estes são alguns dos métodos que podem ser combinados na prevenção e controle das ISTs:

Campanhas de conscientizaçãoUso de PreservativosTestagem regular para HIV e outras ISTsPrevenção da transmissão vertical Tratamento das infecções sexualmente transmissíveisVacinação contra o HPVProfilaxia Pré-exposição (PrEP)Profilaxia Pós-exposição (PEP)

Vamos conhecer um pouco mais sobre cada método?

1. Campanhas de conscientização

Campanha de conscientização do uso da camisinha proposta pelo Ministério da Saúde em 2018!

Tratam-se de peças e campanhas publicitárias que visam alertar sobre o risco, a prevenção e controle das ISTs. O principal objetivo é informar a população sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce.

Podem ser campanhas online – redes sociais, dispositivos de busca online, etc. – ou offline – propagandas de rádio e televisão, outdoors, folders, etc.
Além disso, elas podem ser direcionadas a grupos específicos ou não.

Saiba mais: Entenda como a falta de testosterona afeta a saúde do homem!

2. Uso de preservativos

O uso de preservativo ainda é uma dar melhores formas pra prevenir ISTs e gravidez indesejada!

É a famosa camisinha. Aliás, este é, provavelmente, o método mais conhecido, acessível e eficaz de prevenção e controle das ISTs. Além disso, ele também ajuda a prevenir a gravidez indesejada!

Vale lembrar que existem basicamente 2 tipos de preservativos: masculino e feminino. O primeiro é feito de látex e deve ser colocado no pênis ereto. Já o segundo é feito de látex ou borracha nitrílica, é usada internamente na vagina e pode ser colocada algumas horas antes da relação.

Tanto a camisinha masculina quanto a feminina podem ser encontradas gratuitamente nos postos de saúde do Sistema Único de Saúde, o SUS.

Saiba mais: Como reconhecer os sintomas da impotência sexual?

3. Testagem regular

O diagnóstico precoce é fundamental no tratamento das ISTs!

Teve relação sexual sem proteção? Então o melhor é fazer um teste para garantir que você está seguro. Afinal, o diagnóstico precoce é extremamente importante no tratamento das ISTs.

E o melhor é que você não precisa se preocupar, já que há alguns anos o SUS oferece gratuitamente alguns testes. Por exemplo, você pode solicitar exames para o HIV, a sífilis e as hepatites B e C.

Vale lembrar que no Brasil existem basicamente 2 tipos de testes: laboratoriais e rápidos. Enquanto os primeiros são mais complexos e podem levar mais tempo, os testes rápidos são práticos e de fácil execução.

Eles podem ser realizados apenas com uma gota de sangue ou com fluido oral e apresentam resultado em, no máximo, 30 minutos!

Saiba mais: O que é o HPV e porque você deve se preocupar!

4. Prevenção da transmissão vertical

A transmissão vertical de ISTs também é um grave probçema de saúde pública!

Outra forma muito comum de transmissão do HIV e outras ISTs é a transmissão vertical, ou seja, da mãe para o bebê. Por exemplo, nos casos em que a mãe é diagnosticada com alguma IST, ela pode transmiti-la ao bebê durante o parto ou a amamentação.

Por essa razão as gestantes e parcerias sexuais devem realizar os testes para HIV e outras ISTs. Além disso, o acompanhamento pré-natal também é uma importante forma de prevenção e controle das ISTs.

Caso os resultados sejam positivos, é ainda mais importante seguir à risca as recomendações dos profissionais de saúde. Afinal, o diagnóstico e o tratamento precoces podem garantir a saúde do seu bebê!

Saiba mais: 5 dicas para ter uma boa alimentação durante a gravidez!

5. Tratamento do HIV e outras ISTs

O tratamento geralmente é feito combinando diversas medicações!

Além de um diagnóstico precoce, o tratamento adequado também é fundamental. Felizmente, no Brasil, todas as pessoas que recebem um diagnóstico positivo para HIV têm o direito de receber tratamento gratuito pelo SUS.

No caso do HIV, o tratamento pode diminuir a mortalidade, as complicações da doença e melhorar a qualidade de vida. Além disso, o tratamento correto pode também diminuir a transmissão do vírus!

Isso porque uma pessoa com boa adesão ao tratamento atinge cargas virais tão baixas que a chance de transmissão é praticamente nula. Por esse motivo, funciona também como uma excelente ferramente de prevenção e controle das ISTs.

Em outras palavras, aqueles que seguem corretamente o tratamento, não adoecem e garantem a sua qualidade de vida!

6. Vacinação contra o HPV

A vacinação contra o HPV é uma das maneiras mais eficazes de prevenir a transmissão da doença!

O HPV é outra infecção sexualmente transmissível muito comum e capaz de infectar a pele e mucosas. Aliás, vale lembrar que a transmissão pode ser feita de outras formas, que não exclusivamente a sexual!

Na verdade, existem mais de 150 tipos diferentes de HPV, 40 dos quais podem afetar as regiões genitais tais como útero, vulva, vagina, pênis, ânus e orofaringe.

Entretanto, os principais vírus podem ser combatidos com duas doses da vacina contra o HPV, que está disponível gratuitamente no SUS.

Saiba mais: Conheça 3 formas de se prevenir contra o HPV!

7. Profilaxia Pré-exposição (PrEP)

Este ainda é um método relativamente novo, mas que não dispensa o uso de camisinha!

A PrEP é um novo método de prevenção do HIV, especificamente, que, como o nome fala, tem o objetivo de prevenir a exposição ao vírus.

Pra isso, a pessoa deverá tomar diariamente um comprimido que impede que o vírus HIV infecte o organismo. O comprimido tem a função de ‘bloquear’ alguns caminhos que o HIV usa para infectar o seu organismo.

Entretanto, para que funcione perfeitamente devem ser tomados alguns cuidados. Por exemplo, se você falhar um dia, o remédio pode perder todo o efeito. Além disso, este método NÃO ajuda a prevenir outras ISTs, portanto, o uso de preservativos não deverá ser dispensado, viu!

Você pode gostar: Alimentação afrodisíaca: Verdade ou Mito?

8. Profilaxia Pós-exposição (PEP)

A profilaxia pós-exposição pode ser aplicada em casos de violência sexual ou de acidente de trabalho!

Diferentemente da PrEP, a PEP é aplicada após o risco de exposição, não somente ao HIV, como também a outras ISTs.

Vale alertar que este é um método de emergência, que consiste no uso de medicamentos para reduzir o risco de contrair alguma doença.

Além disso, este é um método muito utilizados em casos de violência sexual ou em acidentes ocupacionais, como é o caso de profissionais de saúde. Em tais casos, a pessoa deverá tomar os medicamentos antirretrovirais para reduzir o risco de infecção e transmissão.

Você pode gostar: O que é e como funciona a pílula do orgasmo!

Você conhecia todos os métodos de prevenção e controle das ISTs? Deixe seu comentário aqui embaixo!

O post Prevenção e controle das ISTs: o que você precisa saber apareceu primeiro em Bem de Saúde.

Comentário sobre Controlar a diabetes: será que você sabe MESMO o que fazer? por Larissa Candido 0

Comentário sobre Controlar a diabetes: será que você sabe MESMO o que fazer? por Larissa Candido

Olá, Georgiana! Fico feliz que você gostou do nosso artigo. Espero que tenha ajudado! Um grande abraço para você!

0

Os 5 cuidados mais importantes para a saúde do diabético

Conviver com a diabetes não é nada fácil! Ainda mais com o medo de todas as complicações que essa doença pode trazer. Por isso, elegemos alguns cuidados que todo mundo precisa saber sobre a saúde do diabético!

Não se trata apenas de controlar a glicose, embora isso seja de extrema importância. Quando você é diagnosticado com a diabetes existem outros diversos riscos à saúde que precisam de MUITA atenção!

Enquanto alguns desses itens podem parecer muito óbvios, outros nem são lembrados quando falamos em diabetes… Mas todos eles são essenciais! Então se você sofre de diabetes, fique de olho!

Saiba mais: Você sabe o que fazer para controlar a diabetes?

1. A saúde do diabético pede EQUILÍBRIO e AUTOCUIDADO

Os excessos não combinam com a sua saúde!

Há quem diga que o seu corpo é como a sua casa… Para ter uma vida confortável dentro dele, é preciso cuidado e amor. Assim, ele vai virar um belo lar!

Bonito, né? Mas o que tem isso a ver com a saúde do diabético?

Tuuudo! Porque todo diabético precisa de cuidados muito especiais com o próprio corpo. Tanto a alimentação, quanto a higiene e até mesmo o estado emocional são DECISIVOS no controle da doença.

Vale lembrar que as complicações que a diabetes pode trazer são inúmeras! Só para citar algumas:

Prejudica as defesas do corpo;Aumenta o risco de diversas outras doenças circulatórias;Diminuição da visão podendo levar até à cegueira;Piora o funcionamento dos rins.

Então o ideal é ter uma vida equilibrada, livre de excessos e com foco especial em respeitar o próprio corpo! Cuide de você, procure o próprio bem estar com moderação. E, é claro, siga as dicas do Portal Bem de Saúde!

Você pode gostar: Saiba como a meditação pode beneficiar a sua saúde!

2. Cuide com o que você ingere!

A dieta é um dos pontos mais importantes do tratamento da diabetes!

Vamos começar com o básico! Afinal, todo muito sabe que quem sofre de diabetes precisa cuidar com os docinhos, certo?

Primeiramente, a água é de vital importância no dia-a-dia de quem convive com essa doença. Uma dica legal é espalhar garrafinhas de água pela casa e sempre carregar uma com você quando sair. Pegue o costume de beber água ao longo do dia, evitando longos períodos de tempo de sede.

Lembre-se: a água vai ser uma grande aliada sua no controle da glicose e na prevenção dos problemas renais que a diabetes pode causar!!!

Mas a saúde do diabético vai além disso! Lembra do equilíbrio? Pois é… Os vilões açúcar e carboidrato também são necessários para termos energia no nosso corpo. Por isso, a dica não é sair cortando coisas da sua alimentação!

Escolha bem os alimentos!

Para evitar as complicações da diabetes, é preciso fazer mais do que cortar os docinhos! O excesso de glicose no sangue, que tanto prejudica o seu corpo, pode vir também de alimentos salgados.

Na verdade, é uma combinação entre a quantidade de glicose que você ingere e a dificuldade que o seu corpo tem em produzir a insulina!

Portanto, o importante é você optar por alimentos que vão ajudar o seu organismo a processar mais lentamente o que você come. É o caso dos alimentos em fibras. Isso acontece porque elas não são digeridas pelas enzimas digestivas e por isso atrasam a digestão da glicose.

Preferir frutas, legumes e massas integrais ajuda muito a saúde do diabético!

Saiba mais: Conheça 10 das principais fontes de fibras!

Controle melhor as quantidades

Embora sair cortando tudo não seja bacana, não quer dizer que tudo está liberado! Mesmo as frutas, que contém as tais fibras, não estão livres de aumentar a sua glicose, caso sejam consumidas em excesso.

É isso mesmo! Tudo demais faz mal. Então, é sempre importante para a saúde do diabético saber dosar bem os alimentos ao longo do dia.

Procure não ficar muito tempo sem comer

Em especial quem usa insulina precisa seeempre ter um lanchinho ao alcance das mãos! Algo saudável, é claro. Uma fruta, alguma bolachinha de massa integral… Para evitar justamente passar muito tempo sem se alimentar.

Isso é necessário pois há o risco da hipoglicemia. Ela acontece quando há mais insulina do que outros hormônios que regulam a falta da glicose quando ela se esgota.

É importante frisar que crises de hipoglicemia podem gerar danos neuronais sérios! Portanto, o melhor é mesmo é não espaçar muito o tempo entre uma refeição e outra.

Você pode gostar: As 20 pequenas mudanças que vão te ajudar a perder peso!

3. Cuide bem do seu corpo!

Que tal começar com uma caminhada diária?

Parece óbvio, mas não é! Não é apenas uma questão de ir para a academia ou estética… É na verdade manter o equilíbrio, entre se exercitar da melhor forma para o seu corpo e tomar alguns cuidados especiais.

Isso porque a saúde do diabético depende desse esforço em melhorar o funcionamento do seu metabolismo. Inclusive, essa doença prejudica diversos processos importantes para o nosso corpo, como a cicatrização, por exemplo.

Além disso, o próprio sistema circulatório também fica em risco, caso o diabético não se exercite!

Faça atividades físicas!

Eu sei, é repetitivo… Mas é realmente importante!

Se você tem diabetes pratique exercícios físicos diariamente! Eles vão ser essenciais para proporcionar esse melhor funcionamento do metabolismo. Mais do que isso, também vão ajudar a melhorar o efeito da insulina e o tratamento como um todo!

Mas não esqueça de antes passar no médico e conversar com ele sobre o assunto! Isso porque essa nova rotina também precisa de planejamento. Nada de ir se exercitar de estômago vazio. Lembra das complicações da hipoglicemia?

Vale lembrar que para começar uma academia ou qualquer outra atividade, é necessário que os seus níveis de glicose estejam estabilizados! Caso contrário há o risco da hiperglicemia, que é o aumento excessivo da glicose no sangue, e não é nada legal para a saúde do diabético…

Mas cuidado com o esforço excessivo…

Para evitar que tanto a hipoglicemia quanto a hiperglicemia aconteça, é necessário tomar algumas medidas:

Organize a sua rotina de exercícios direitinho, pensando nos horários dos medicamentos e da sua alimentação;Evite fazer suas atividades nos picos de insulina;Prefira sempre os exercícios de baixa intensidade;Procure não passar mais de 60 minutos contínuos na atividade escolhida.

Aliás, também é bom ficar de olho no peso!

Sabe aquela gordurinha abdominal, que muita gente abomina, mas tem até quem ache fofo?

Quando estamos falando da saúde do diabético, ela se torna muito perigosa! Isso acontece pois esses acúmulos de gordura corporal na verdade são reservas de energia.

No caso do diabético, quando o organismo percebe que a glicose não está chegando nas células, recorre à essas reservas. Como, na verdade, o que está em falta é a insulina, o corpo acaba jogando mais glicose no sangue.

Portanto, o diabético precisa sempre cuidar do peso, pois é dessa reserva de energia que o corpo vai retirar glicose quando perceber que ela está em falta!

Saiba mais: Conheça os 20 benefícios da caminhada!

4. De olho no relógio: tome os remédios direitinho!

A saúde do diabético depende de disciplina! Então, de olho no relógio!

Antes de tudo, é importante reforçar uma coisinha:

Tomar os remédios não quer dizer que você pode relaxar da dieta!!!

Pronto… Agora podemos continuar!

Cada tipo de diabetes e cada diabético tem um tratamento diferente, certo? Alguns usam a famosa insulina, enquanto outros usam outros tipos de inibidores, biguanidas ou sulfonilureias. Cada um deles possui uma recomendação específica, e é essencial seguir direitinho!

Aliás… não temos apenas os remédios “de farmácia”, não é? Hoje em dia é muito comum encontrar produtos naturais que ajudam na saúde do diabético. A canela, ameixa e a moringa oleífera, por exemplo, são muito utilizadas para isso. O que é realmente muuuito legal, mas não dispensa os remédios indicados pelo médico, viu?

Você pode gostar: Conheça a Moringa Oleífera, a planta indiana que é considerada um superalimento!

Agenda, despertador, tabelinha… tudo vale para não esquecer!

Acho que deu pra perceber que a vida do diabético precisa de muito planejamento e organização, né?!

Isso porque tanto os remédios receitados pelos médicos, quanto os hábitos alimentares, exercícios e tratamentos naturais precisam todos ser seguidos à risca.

Controlar os horários dos remédios, da alimentação e atividades físicas evita os chamados picos de glicose. Esse planejamento e monitoramento correto da própria glicemia pode parecer um chato… Mas faz absolutamente toooda a diferença para evitar as complicações que a diabetes pode trazer.

Então você vai viajar? Praticar atividades físicas? Passar várias horas fora de casa? Bora planejar! Leve tudo o que precisa, coloque o despertador do celular e faça de tudo para não esquecer os remédios e nem pular refeições.

Você pode gostar: Descubra como ter uma alimentação mais saudável com essas 8 dicas!

5. Capriche na higiene, pois ela é muuuito importante!

Manter os pés sempre sequinhos e limpos é muuito importante!

Essa é uma dica que deveria ser essencial para qualquer pessoa! Mas sabe porque ela é mais importante ainda para a saúde do diabético?

Uma vez que a diabetes prejudica a cicatrização da pele, qualquer ferida demora mais para se curar. Ainda, para piorar essa situação, por conta dos problemas circulatórios que doença causa, a sensibilidade nas extremidades, principalmente nos pés, também fica prejudicada.

Portanto, mantenha uma boa higiene pessoal. Assim você consegue evitar que qualquer machucadinho possa infeccionar e se tornar um problema muito mais grave!

Cuide dos seus pés, que te aguentam o dia inteiro!

Um dos principais cuidados com a higiene pessoal do diabético deve ser com os pés. Tanto por aquela falta de sensibilidade que nós falamos há pouco, quanto por ser uma região do corpo que facilmente cria micoses ou pega fungos, como a frieira por exemplo.

Inclusive, essas feridas nos pés representam grande risco justamente por às vezes passarem desapercebidas. Caso não sejam tratadas, podem levar até mesmo à gangrena e amputação.

Isso acontece pois os glóbulos brancos, responsáveis pela defesa do nosso corpo (combatendo os agentes infecciosos), são prejudicados pela hiperglicemia. Por isso, a cicatrização é mais lenta e as defesas acabam ficando mais baixas… Uma combinação muito ruim para o seu corpo.

Esse problema inclusive se escala: nos casos de amputação é muito comum que esse mal se espalhe. Daí, algo pequeno acaba levando a algo muito mais grande.

Então, siga à risca:

Seque muito bem os pés após o banho;Evite passar creme entre os dedos;Monitore diariamente a saúde dos seus pés;Não ande descalço;Use calçados confortáveis, que não apertem nem machuque os seus pés;Não se esqueça de cuidar também bem das suas meias, mantendo elas sempre limpas e intactas.

E sempre que você encontrar alguma ferida (não só nos pés), muito cuidado. Lave bem com água e sabão e tampe com um curativo limpo e seco.

Não esqueça também da higiene bucal, viu?!

Esse cuidado também precisa ser especial para o bem da saúde do diabético! Quando a glicose não está controlada, a saliva de quem tem diabetes facilita a formação da famosa placa bacteriana.

Aliás, o perigo não está apenas nas cáries, mas nas inflamações que podem aparecer na gengiva. O corpo pode ter dificuldades em combater essas inflamações, e há o risco da doença periodontal.

E, pior ainda, o risco de perda dentária é ainda maior para quem tem diabetes. E se o metabolismo tem mais dificuldade em combater a doença, ela se agrava mais rapidamente.

Por isso, sem preguiça! Escove muito bem os dentes após as refeições, beba muita água, e vá ao dentista regularmente.

Saiba mais: Você conhece as fases e mudanças hormonais da mulher?

Mas se você ainda não sofre dessa doença… tenho um recadinho para você!

Prevenção é a palavra!

Deu para ver que as complicações da diabetes são muitas! A saúde do diabético está sempre em risco, e precisa de constante cuidado.

A partir do diagnóstico, muita coisa muda na sua vida com essa doença. Tudo precisa ser muito comedido e planejado. Claro que dá para levar uma vida normal e feliz, sempre com equilíbrio, autocuidado e acompanhamento médico.

Você pode gostar: Será que esta planta retarda MESMO o envelhecimento?

Ainda assim, o melhor é evitar, certo?! Por isso, a prevenção é o MELHOR remédio! Cuide bem de você!

O post Os 5 cuidados mais importantes para a saúde do diabético apareceu primeiro em Bem de Saúde.

0

Os 5 cuidados mais importantes para a saúde do diabético

Conviver com a diabetes não é nada fácil! Ainda mais com o medo de todas as complicações que essa doença pode trazer. Por isso, elegemos alguns cuidados que todo mundo precisa saber sobre a saúde do diabético!

Não se trata apenas de controlar a glicose, embora isso seja de extrema importância. Quando você é diagnosticado com a diabetes existem outros diversos riscos à saúde que precisam de MUITA atenção!

Enquanto alguns desses itens podem parecer muito óbvios, outros nem são lembrados quando falamos em diabetes… Mas todos eles são essenciais! Então se você sofre de diabetes, fique de olho!

Saiba mais: Você sabe o que fazer para controlar a diabetes?

1. A saúde do diabético pede EQUILÍBRIO e AUTOCUIDADO

Os excessos não combinam com a sua saúde!

Há quem diga que o seu corpo é como a sua casa… Para ter uma vida confortável dentro dele, é preciso cuidado e amor. Assim, ele vai virar um belo lar!

Bonito, né? Mas o que tem isso a ver com a saúde do diabético?

Tuuudo! Porque todo diabético precisa de cuidados muito especiais com o próprio corpo. Tanto a alimentação, quanto a higiene e até mesmo o estado emocional são DECISIVOS no controle da doença.

Vale lembrar que as complicações que a diabetes pode trazer são inúmeras! Só para citar algumas:

Prejudica as defesas do corpo;Aumenta o risco de diversas outras doenças circulatórias;Diminuição da visão podendo levar até à cegueira;Piora o funcionamento dos rins.

Então o ideal é ter uma vida equilibrada, livre de excessos e com foco especial em respeitar o próprio corpo! Cuide de você, procure o próprio bem estar com moderação. E, é claro, siga as dicas do Portal Bem de Saúde!

Você pode gostar: Saiba como a meditação pode beneficiar a sua saúde!

2. Cuide com o que você ingere!

A dieta é um dos pontos mais importantes do tratamento da diabetes!

Vamos começar com o básico! Afinal, todo muito sabe que quem sofre de diabetes precisa cuidar com os docinhos, certo?

Primeiramente, a água é de vital importância no dia-a-dia de quem convive com essa doença. Uma dica legal é espalhar garrafinhas de água pela casa e sempre carregar uma com você quando sair. Pegue o costume de beber água ao longo do dia, evitando longos períodos de tempo de sede.

Lembre-se: a água vai ser uma grande aliada sua no controle da glicose e na prevenção dos problemas renais que a diabetes pode causar!!!

Mas a saúde do diabético vai além disso! Lembra do equilíbrio? Pois é… Os vilões açúcar e carboidrato também são necessários para termos energia no nosso corpo. Por isso, a dica não é sair cortando coisas da sua alimentação!

Escolha bem os alimentos!

Para evitar as complicações da diabetes, é preciso fazer mais do que cortar os docinhos! O excesso de glicose no sangue, que tanto prejudica o seu corpo, pode vir também de alimentos salgados.

Na verdade, é uma combinação entre a quantidade de glicose que você ingere e a dificuldade que o seu corpo tem em produzir a insulina!

Portanto, o importante é você optar por alimentos que vão ajudar o seu organismo a processar mais lentamente o que você come. É o caso dos alimentos em fibras. Isso acontece porque elas não são digeridas pelas enzimas digestivas e por isso atrasam a digestão da glicose.

Preferir frutas, legumes e massas integrais ajuda muito a saúde do diabético!

Saiba mais: Conheça 10 das principais fontes de fibras!

Controle melhor as quantidades

Embora sair cortando tudo não seja bacana, não quer dizer que tudo está liberado! Mesmo as frutas, que contém as tais fibras, não estão livres de aumentar a sua glicose, caso sejam consumidas em excesso.

É isso mesmo! Tudo demais faz mal. Então, é sempre importante para a saúde do diabético saber dosar bem os alimentos ao longo do dia.

Procure não ficar muito tempo sem comer

Em especial quem usa insulina precisa seeempre ter um lanchinho ao alcance das mãos! Algo saudável, é claro. Uma fruta, alguma bolachinha de massa integral… Para evitar justamente passar muito tempo sem se alimentar.

Isso é necessário pois há o risco da hipoglicemia. Ela acontece quando há mais insulina do que outros hormônios que regulam a falta da glicose quando ela se esgota.

É importante frisar que crises de hipoglicemia podem gerar danos neuronais sérios! Portanto, o melhor é mesmo é não espaçar muito o tempo entre uma refeição e outra.

Você pode gostar: As 20 pequenas mudanças que vão te ajudar a perder peso!

3. Cuide bem do seu corpo!

Que tal começar com uma caminhada diária?

Parece óbvio, mas não é! Não é apenas uma questão de ir para a academia ou estética… É na verdade manter o equilíbrio, entre se exercitar da melhor forma para o seu corpo e tomar alguns cuidados especiais.

Isso porque a saúde do diabético depende desse esforço em melhorar o funcionamento do seu metabolismo. Inclusive, essa doença prejudica diversos processos importantes para o nosso corpo, como a cicatrização, por exemplo.

Além disso, o próprio sistema circulatório também fica em risco, caso o diabético não se exercite!

Faça atividades físicas!

Eu sei, é repetitivo… Mas é realmente importante!

Se você tem diabetes pratique exercícios físicos diariamente! Eles vão ser essenciais para proporcionar esse melhor funcionamento do metabolismo. Mais do que isso, também vão ajudar a melhorar o efeito da insulina e o tratamento como um todo!

Mas não esqueça de antes passar no médico e conversar com ele sobre o assunto! Isso porque essa nova rotina também precisa de planejamento. Nada de ir se exercitar de estômago vazio. Lembra das complicações da hipoglicemia?

Vale lembrar que para começar uma academia ou qualquer outra atividade, é necessário que os seus níveis de glicose estejam estabilizados! Caso contrário há o risco da hiperglicemia, que é o aumento excessivo da glicose no sangue, e não é nada legal para a saúde do diabético…

Mas cuidado com o esforço excessivo…

Para evitar que tanto a hipoglicemia quanto a hiperglicemia aconteça, é necessário tomar algumas medidas:

Organize a sua rotina de exercícios direitinho, pensando nos horários dos medicamentos e da sua alimentação;Evite fazer suas atividades nos picos de insulina;Prefira sempre os exercícios de baixa intensidade;Procure não passar mais de 60 minutos contínuos na atividade escolhida.

Aliás, também é bom ficar de olho no peso!

Sabe aquela gordurinha abdominal, que muita gente abomina, mas tem até quem ache fofo?

Quando estamos falando da saúde do diabético, ela se torna muito perigosa! Isso acontece pois esses acúmulos de gordura corporal na verdade são reservas de energia.

No caso do diabético, quando o organismo percebe que a glicose não está chegando nas células, recorre à essas reservas. Como, na verdade, o que está em falta é a insulina, o corpo acaba jogando mais glicose no sangue.

Portanto, o diabético precisa sempre cuidar do peso, pois é dessa reserva de energia que o corpo vai retirar glicose quando perceber que ela está em falta!

Saiba mais: Conheça os 20 benefícios da caminhada!

4. De olho no relógio: tome os remédios direitinho!

A saúde do diabético depende de disciplina! Então, de olho no relógio!

Antes de tudo, é importante reforçar uma coisinha:

Tomar os remédios não quer dizer que você pode relaxar da dieta!!!

Pronto… Agora podemos continuar!

Cada tipo de diabetes e cada diabético tem um tratamento diferente, certo? Alguns usam a famosa insulina, enquanto outros usam outros tipos de inibidores, biguanidas ou sulfonilureias. Cada um deles possui uma recomendação específica, e é essencial seguir direitinho!

Aliás… não temos apenas os remédios “de farmácia”, não é? Hoje em dia é muito comum encontrar produtos naturais que ajudam na saúde do diabético. A canela, ameixa e a moringa oleífera, por exemplo, são muito utilizadas para isso. O que é realmente muuuito legal, mas não dispensa os remédios indicados pelo médico, viu?

Você pode gostar: Conheça a Moringa Oleífera, a planta indiana que é considerada um superalimento!

Agenda, despertador, tabelinha… tudo vale para não esquecer!

Acho que deu pra perceber que a vida do diabético precisa de muito planejamento e organização, né?!

Isso porque tanto os remédios receitados pelos médicos, quanto os hábitos alimentares, exercícios e tratamentos naturais precisam todos ser seguidos à risca.

Controlar os horários dos remédios, da alimentação e atividades físicas evita os chamados picos de glicose. Esse planejamento e monitoramento correto da própria glicemia pode parecer um chato… Mas faz absolutamente toooda a diferença para evitar as complicações que a diabetes pode trazer.

Então você vai viajar? Praticar atividades físicas? Passar várias horas fora de casa? Bora planejar! Leve tudo o que precisa, coloque o despertador do celular e faça de tudo para não esquecer os remédios e nem pular refeições.

Você pode gostar: Descubra como ter uma alimentação mais saudável com essas 8 dicas!

5. Capriche na higiene, pois ela é muuuito importante!

Manter os pés sempre sequinhos e limpos é muuito importante!

Essa é uma dica que deveria ser essencial para qualquer pessoa! Mas sabe porque ela é mais importante ainda para a saúde do diabético?

Uma vez que a diabetes prejudica a cicatrização da pele, qualquer ferida demora mais para se curar. Ainda, para piorar essa situação, por conta dos problemas circulatórios que doença causa, a sensibilidade nas extremidades, principalmente nos pés, também fica prejudicada.

Portanto, mantenha uma boa higiene pessoal. Assim você consegue evitar que qualquer machucadinho possa infeccionar e se tornar um problema muito mais grave!

Cuide dos seus pés, que te aguentam o dia inteiro!

Um dos principais cuidados com a higiene pessoal do diabético deve ser com os pés. Tanto por aquela falta de sensibilidade que nós falamos há pouco, quanto por ser uma região do corpo que facilmente cria micoses ou pega fungos, como a frieira por exemplo.

Inclusive, essas feridas nos pés representam grande risco justamente por às vezes passarem desapercebidas. Caso não sejam tratadas, podem levar até mesmo à gangrena e amputação.

Isso acontece pois os glóbulos brancos, responsáveis pela defesa do nosso corpo (combatendo os agentes infecciosos), são prejudicados pela hiperglicemia. Por isso, a cicatrização é mais lenta e as defesas acabam ficando mais baixas… Uma combinação muito ruim para o seu corpo.

Esse problema inclusive se escala: nos casos de amputação é muito comum que esse mal se espalhe. Daí, algo pequena acaba levando a algo muito mais grade.

Então, siga à risca:

Seque muito bem os pés após o banho;Evite passar creme entre os dedos;Monitore diariamente a saúde dos seus pés;Não ande descalço;Use calçados confortáveis, que não apertem nem machuque os seus pés;Não se esqueça de cuidar também bem das suas meias, mantendo elas sempre limpas e intactas.

E sempre que você encontrar alguma ferida (não só nos pés), muito cuidado. Lave bem com água e sabão e tampe com um curativo limpo e seco.

Não esqueça também da higiene bucal, viu?!

Esse cuidado também precisa ser especial para o bem da saúde do diabético! Quando a glicose não está controlada, a saliva de quem tem diabetes facilita a formação da famosa placa bacteriana.

Aliás, o perigo não está apenas nas cáries, mas nas inflamações que podem aparecer na gengiva. O corpo pode ter dificuldades em combater essas inflamações, e há o risco da doença periodontal.

E, pior ainda, o risco de perda dentária é ainda maior para quem tem diabetes. E se o metabolismo tem mais dificuldade em combater a doença, ela se agrava mais rapidamente.

Por isso, sem preguiça! Escove muito bem os dentes após as refeições, beba muita água, e vá ao dentista regularmente.

Saiba mais: Você conhece as fases e mudanças hormonais da mulher?

Mas se você ainda não sofre dessa doença… tenho um recadinho para você!

Prevenção é a palavra!

Deu para ver que as complicações da diabetes são muitas! A saúde do diabético está sempre em risco, e precisa de constante cuidado.

A partir do diagnóstico, muita coisa muda na sua vida com essa doença. Tudo precisa ser muito comedido e planejado. Claro que dá para levar uma vida normal e feliz, sempre com equilíbrio, autocuidado e acompanhamento médico.

Você pode gostar: Será que esta planta retarda MESMO o envelhecimento?

Ainda assim, o melhor é evitar, certo?! Por isso, a prevenção é o MELHOR remédio! Cuide bem de você!

O post Os 5 cuidados mais importantes para a saúde do diabético apareceu primeiro em Bem de Saúde.